Como foi voltar em Stanford 2 anos depois…

Era uma sexta-feira chuvosa, um dia feio que faria qualquer um querer não sair da cama. Porém, resolvi contrariar as expectativas. Levantei cedo e às 4:30 da manhã já estava acordado arrumando as malas e animado para sair. Só faltou uma informação nesse parágrafo, a data era 16 de Outubro de 2015 e a cidade onde tudo isso se passou, era São Francisco, nos EUA.

Foto do pessoal no trem indo para Stanford de madrugada =]

Foto do pessoal no trem indo para Stanford de madrugada

Todo o motivo para esse ânimo era bem simples. Hoje, visitaria um dos lugares que causou a maior mudança na minha vida, visitaria a Universidade de Stanford na Califórnia. Esse foi local que me inspirou a criar algo que mudou completamente minha história, que me fez conhecer pessoas impressionantes e importantes, que me fez sonhar cada dia mais com uma nova realidade e o mais importante, mostrou o quanto eu era capaz de criá-la.

Como tudo começou…

Vou voltar um pouco a história para contextualizar todos e dizer como essa experiência mudou tanto a minha vida…
“No princípio Deus criou os céus e a terra….”

Não, não vou voltar tanto assim.
Era agosto de 2013….
Eu era bolsista do programa Ciência sem Fronteiras e estava fazendo um curso de verão na Universidade de Stanford. Cursei três disciplinas naquele momento: Empreendedorismo Tecnológico, Principais Tendências em Tecnologia da Informação e “Press Play”, uma disciplina que ensinava a fazer o hardware, o software e o design de um MP3 Player.

Num grande resumo, foi uma experiência fantástica, pois,  nas três disciplinas tive um contato frequente com coisas que raramente eu tinha no Brasil, como desenvolver projetos empreendedores dentro de empresas, palestras com empreendedores de ponta contando como utilizavam algumas tecnologias e aulas de como criar produtos, como fazer design pensando na experiência do usuário, entre outras coisas.

Quando a chave virou…

Após essa experiência, voltei para o Brasil. Voltei a assistir aulas na minha universidade. Cada dia que passava, a inquietação me incomodava mais.  Eu me perguntava, por que minha universidade no Brasil não funciona do mesmo jeito que Stanford? A partir daí, tomei uma decisão, sairia do Brasil o mais rápido possível e tentaria ir pra uma universidade americana!

Brincadeira, não foi essa a minha decisão. Eu sabia que reclamar não mudaria nada! Deixar o problema para trás, muito menos! Então decidi fazer algo diferente, decidi ser o protagonista dessa mudança. Decidi que a partir dali, reuniria a experiência das milhares de pessoas que tiveram a oportunidade de estudar no exterior para sugerir melhorias para o ensino superior brasileiro, e foi assim que surgiu o My CsF.

E 2 anos depois…Como foi visitar Stanford?

Agora já posso voltar para a história.
Ter vivido esse experiência, me fez querer transformar a realidade do ensino superior brasileira.

Por causa desse sentimento, hoje o My CsF  tem mais de 17 mil inscritos, já atingiu mais de 100 mil pessoas e aos poucos começamos a fazer ações que vem impactando positivamente o ensino superior brasileiro (a maior ação até o momento, será lançada na próxima semana, portanto, se preparem)

Mas o intuito dessa postagem é contar como foi voltar para Stanford, onde tudo começou, dois anos depois. Devo confessar que foi uma sensação diferente. Uma mistura de ansiedade, de aperto no coração por voltar ali e não poder ficar, de querer passar pelo menos mais algumas meses aprendendo mais ainda naquele lugar que me mostrou o quão grande eu poderia sonhar.

Porém, a melhor sensação foi voltar lá com um sentimento de ser uma pessoa totalmente diferente do que quando estive lá. Dessa vez, tive a oportunidade de voltar a convite de um professor, para bater um papo, contar o que eu vinha fazendo, como eu esperava que o meu projeto pudesse impactar ainda mais pessoas e principalmente, ele queria saber como ele poderia ajudar esse meu sonho a acontecer o mais rápido possível.

Isso foi mais um sonho se tornando realidade! Ser convidado por alguém que a dois anos atrás coloquei num patamar de ídolo, devido ao conhecimento e a rede de contatos que tinha e ser convidado por ele para conversar escutar “admiro muito sua iniciativa e tudo que você já construiu. Porém, você pode ir muito mais longe”.

Só uma observação, essa frase dele me representou muito toda a experiência que tive durante o intercâmbio. Professores que sempre acreditam no potencial dos alunos, que os parabenizam por suas iniciativas e tentativas, independente do sucesso delas. Mas, o mais importante, sempre te mostram que você pode ir muito mais longe e que você pode impactar muito mais pessoas.

E as empresas que ficam próximas de Stanford?

Não sei se todos sabem, mas o Vale do Silício, local de onde a universidade de Stanford faz parte, é cercado por grandes empresas como Google, Apple, Facebook, Evernote, etc.

A dois anos atrás, enquanto estive em Stanford, sonhei em conhecer essas empresas, queria saber como elas funcionavam por dentro. Porém, o máximo que consegui, foi tirar uma foto na frente de cada uma delas.

Foto em frente ao Google a dois anos atrás

Foto em frente ao Google a dois anos atrás

Porém, dessa vez, fui bem recebido em todas elas. Tive a oportunidade de apresentar o My CsF, discutir possiblidades de parceria, ter conversas com o RH dessas empresas para saber o que elas esperam de um estudante internacional e também pegar algumas dicas de como eles podem se tornar estagiários nessas empresas. (Em breve, um especial sobre “Como conseguir seu estágio no exterior” muito top esse ano)

Qual a mensagem que fica de tudo isso?

Por fim,  a mensagem que gostaria de deixar para cada um de vocês é… Você já tem um sonho? Você já sabe o que te faz acordar todo dia de manhã? Se sim, vai atrás disso com todas as suas forças. Caso não, descubra o mais rápido possível e, a partir disso, coloque esse objetivo como sua meta de vida.

Com isso em mente, nunca se esqueça de sonhar grande! Para a nossa cabeça custa o mesmo tanto sonhar grande e sonhar pequeno e pode ter certeza que você verá o quanto é capaz de realizar quando estipular metas que você pensa nunca ser capaz de alcançar.

Nunca se esqueça, tem horas que você vai querer desistir, tem horas que tudo vai parecer que estará dando errado, mas não se deixe abater… Continue seus esforços, os resultados vão aparecer! Afinal sorte não é nada mais do que quando a preparação encontra uma oportunidade.

Volto para casa feliz, mesmo sabendo que não ficarei em um lugar que considero a universidade dos sonhos. Mas, realizado por saber que muito já foi feito na história do My CsF, para transformar o sonho de muitas pessoas em realidade.

E por fim, gostaria deixar uma frase que lembro sempre que as coisas estão ruins

“Os campeões amam a vitória, ainda que, em alguns momentos, a jornada não seja tão prazerosa quanto eles gostariam”

Sobre: Peirol Gomes

Aluno do último ano do curso de Engenharia de Gestão da UFABC. Fui estudante do Ciência sem Fronteiras na University of Alabama in Huntsville e também na Stanford University. Ao voltar do programa decidi criar uma forma de auxiliar os estudantes dele e criei o My CSF. Hoje, vejo o Ciência sem Fronteiras como uma das principais formas de transformação da sociedade brasileira. Apaixonado por empreendedorismo e por educação, sonho em melhorar o ensino universitário brasileiro a ponto de ver ele bem situado nos rankings internacionais.

Comentários

Deixe aqui seu comentário